Quando a Dor nas Costas Deve Preocupar?

Só existem 3 tipos de pessoas no mundo:

  • As que já tiveram dor nas costas
  • Aquelas que estão com dor nas costas neste momento
  • As que terão dor nas costas em algum momento na vida.

Se você tem dor nas costas, você não está sozinho. Cerca de 80% dos adultos já experimentam dor nas costas em algum momento de suas vidas.

Essa é a causa mais comum de atestado médico e dias de trabalho perdidos. Em uma grande pesquisa, mais de um quarto dos adultos relataram ter dor lombar durante os últimos 3 meses.

E exatamente porque é um tipo de sintoma tão aparentemente corriqueiro, muitos convivem meses ou mesmo ANOS com esse tipo de dor. E as situações em que a dor aparece são relativamente comuns.

Você sente desconforto e/ou dor sentado no trabalho, em especial no período da tarde?

Ou sente uma dorzinha leve , mas persistente, todos os dias ao acordar ou antes de dormir?

Fica desconfortável ao dirigir?

Já passou dias e semanas com dor, depois ela some apenas para voltar algumas semanas ou mesmo depois?

Chega no fim do dia sente como se tivesse carregando o mundo nas costas, mais precisamente nos trapézios?

Se você se identifica com esse tipo de situação, a primeira coisa importante a se entender é que sentir dor NÃO é normal.

Qualquer dor ou sintoma é, em primeira instância, o seu corpo falando com você, mesmo que seja um sussurro, uma dor leve. Isso não muda para as dores nas costas. Não importa qual o motivo você use para “justificar” a dor…

Ah, é que eu ando tensa...”
Passei o dia carregando o bebê…
As compras de ontem estavam pesadas…
Eu tenho uns desvios na coluna…
A cadeira que eu trabalho é ruim…

Ninguém é obrigado a conviver com a dor. Ela muda o seu humor, a qualidade do seu dia, seu rendimento no trabalho, atrapalha aproveitar os momentos que passa com a sua família… Ninguém nasce destinado a uma vida assim.

O seu corpo foi desenhado para funcionar com total harmonia. A dor é apenas um alerta de algo não vai tão bem e precisa de atenção.

Estar sempre com alguma “dorzinha” pode ser até comum atualmente. Mas jamais será normal.

Cada dor nas costas tem uma ou mais causas, não aparece do nada.

Mas porque “todo mundo sente uma dorzinha aqui outra ali”, geralmente as pessoas que sofrem com dores nas costas, se preocupam apenas quando a conversa com seu médico se encaminha para a indicação de cirurgia… O que é basicamente a mesma coisa de se preocupar em prevenir o infarto apenas depois das primeiras dores no peito.

A boa notícia é que 95% das causas de dores nas costas são tratáveis sem necessidade de qualquer operação (ou mesmo remédios alopáticos).

Na verdade, com exceção de casos graves e incapacitantes, a própria pessoa consegue fazer uso de estratégias que não só diminuem a dor, como têm o poder de acabar de vez com o problema.

O desafio é que são poucos os profissionais que conhece profundamente as alternativas e ferramentas eficazes e que não passam por remédios e procedimentos cirúrgicos. O que significa que a própria pessoa precisa “correr atrás” das alternativas de solução.

Para isso, é preciso perder o medo, assumir a responsabilidade de ouvir e entender o próprio corpo para escolher as melhores ferramentas no seu caso.

Que tal começar agora?

A coluna é formada por 24 ossos, chamados de vértebras (7 cervicais, 12 torácicas e 5 lombares).

Entre duas vértebras existe um disco intervertebral, que serve como uma espécie de amortecedor entre os ossos.

Ligando as vértebras, dando sustentação e movimento, estão músculos e ligamentos.

Por fim, passando através dessas estruturas todas, estão os nervos que saem da medula e se comunicam com todo o corpo.

A dor nas costas nada mais é que um sinal de desequilíbrio em um ou mais desses sistemas. O que poucos sabem é que diferentes fatores podem desencadear a dor

Parece óbvio quando dito assim, mas para muitas pessoas a dor nas costas é algo místico, um fardo que misteriosamente foi dado a ela sem motivo ou justificativa.

Só que não.

Alguns exemplos mais comuns de causas da dor vão desde um episódio pontual de lesão, como dar um mal jeito ao pegar um peso grande ou uma trombada no futebol, passando pelo uso errado e repetitivo de músculos e ossos, como quando mantemos uma postura ruim por anos…

Outra causa usual é uma inflamação local ou mesmo de todo o corpo (como a que se desenvolve ao se alimentar com alimentos processados, ricos em ômega 6).

As dores nas costas geralmente também tem uma causa ou agravante emocional / psicológico escondido…

E até mesmo uma má respiração, problemas digestivos ou nos rins são capazes de disparar o efeito cascata que causará a dor nas costas.

Uma vez que você investiga os motivos da SUA dor, fica mais fácil entender quais fatores é preciso modificar. Mas isso só acontece se você realmente assumir para si a responsabilidade da sua própria cura.

É claro que há situações em que a condição da pessoa evoluiu a tal ponto que o acompanhamento individualizado de um especialista é indispensável.

Ficar incapacitado pela dor, sem conseguir levantar da cama ou desempenhar funções básicas do seu dia já é sinal de alerta ALTO, mesmo quando é um episódio isolado.

E, mesmo ainda nestes casos, a responsabilidade de avaliar qual tratamento vale ou não a pena seguir, deveria recair sobre os ombros de quem está sofrendo do mal.

Em resumo, para responder à pergunta titulo deste post, a dor nas costas deveria preocupar SEMPRE.

Não aquela preocupação passiva e impotente, que só faz aumentar as rugas e cabelos brancos, reclamando, sem mudar qualquer padrão nem buscar por conhecimento e agir. A dor deve trazer a preocupação de “ouvir o corpo” e tentar entender, de fato, o que ele está tentando dizer e procurar ativamente as alternativas, mesmo as menos óbvias e desconhecidas.

Uma recomendação pessoal? Nos próximos dias trarei minha amiga e fisioterapeuta Raquel Furquim em entrevistas e aula gratuita para conversar sobre as causas e soluções disponíveis para a dor nas costas. Fique atenta(o) ao que vem por aí!

E se você conhece alguém que também sofre com dores nas costas recorrentemente, compartilhe este artigo com ela Eu tenho certeza que as informações que a Raquel está preparando podem literalmente revolucionar a vida de muita gente que sofre desse mal hoje.

Deixe uma resposta