Câncer de mama: Diagnóstico e tratamento

Estamos no Outubro Rosa, que é o período de atenção para a prevenção do câncer de mama. Durante todo o mês, campanhas e eventos são feitos para mostrar às mulheres a importância de cuidarem de sua saúde.

Trata-se de um tumor maligno que se desenvolve como consequência de alterações genéticas de células da mama. Essas células passam a se dividir de forma descontrolada.

O câncer de mama é o que mais mata mulheres em todo o mundo e há diversas variações. O tumor pode ser ou não invasivo e o tipo histológico e extensão também são variáveis.

Quando não é invasivo, o câncer está contido em algum ponto da mama, sem que esteja se espalhando para outros órgãos. Isto é, a membrana que faz o revestimento do tumor concentra as células doentes somente naquele nódulo.

No tipo invasivo, as células cancerosas invadem outros pontos do organismo. Vale ressaltar, entretanto, que o câncer não invasivo pode se transformar em invasivo.

Fatores de riscos para o câncer de mama

Os principais fatores que contribuem para aumentar o risco de ter câncer se mama são:

  • Histórico familiar com parentes de primeiro grau com câncer de mama e/ou câncer de ovário;
  • Idade. Mulheres entre 40 e 69 anos são as mais acometidas;
  • Menstruação precoce;
  • Menopausa tardia;
  • Reposição hormonal;
  • Obesidade;
  • Ausência de gravidez;
  • Colesterol alto, já que é a gordura que é matéria prima para a fabricação do estrógeno. Assim, mulheres com maior colesterol produzem mais esse hormônio;
  • Ausência de gravidez, já que a amamentação estimula as glândulas mamárias e diminui a quantidade de hormônios;
  • Já ter apresentado algum tipo de lesão na mama, pois aumenta as chances de surgir tumores.

Quais são os sintomas

Os sintomas do câncer de mama vão variar de acordo com estágio do tumor. Na fase inicial, é comum que não haja sintomas. Por isso, é importante o autoexame para identificar qualquer tipo de alteração ainda no início e também fazer exames como a mamografia.

Os principais sintomas são:

  • Nódulos aparentes;
  • Ferida na mama;
  • Alterações nos mamilos;
  • Pele enrugada;
  • Vermelhidão e inchaço;
  • Secreção escura saindo dos mamilos.

Como é feito o diagnóstico


O diagnóstico preciso do câncer de mama é feito a partir de exames como mamografia, ressonância magnética e ecografia. Esses exames podem ser feitos para identificar uma alteração suspeita.

Para ter certeza, uma biópsia do tecido é coletada. Nesse tecido, é identificado se há células tumorosas e também vai ser possível saber o tipo de câncer para se iniciar o tratamento.

A idade, histórico familiar, início da menstruação e entre outros fatores também são levados em conta pelo médico.

O tratamento do câncer de mama

Como falamos anteriormente, o tratamento desse tipo de câncer depende do tipo e estágio da doenças. O tumor é retirado com uma cirurgia que pode acometer parte da mama ou ela toda.


Em alguns casos, a cirurgia é combinada com outros tratamentos. O tratamento pode incluir radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e imunoterapia.

A maior chance de cura é a partir do diagnóstico precoce. Dessa forma, um tumor que esteja no estágio 0 ou 1 pode ter até 90% de chances de cura. Já no estágio 3 ou 4, as chances de cura do câncer de mama caem para de 30% a 40%.

A prevenção do câncer de mama

A prevenção do câncer de mama é feita principalmente a partir da adoção de hábitos saudáveis, como a prática de exercícios regularmente e alimentação saudável.


Além disso, a realização do autoexame e de exames clínicos também ajuda no diagnóstico precoce da doença.

Deixe sua resposta!