Cientistas descobrem porque o desejo pela cocaína não vai embora

vicio na cocaina
Pessoas que usaram cocaína correm um grande risco de se tornarem dependentes, mesmo após um longo período livre da droga. Pesquisadores da Universidade de Linkoping, na Suécia, apontam para uma específica molécula localizada no cérebro responsável por essa dependência – e sugerem que os pacientes sejam tratados levando-se em conta esta molécula para prevenir futuras recaídas.

As drogas viciam porque elas “raptam” o sistema de recompensas do cérebro, responsável por nos dar prazer ao comermos e mantermos relações sexuais, comportamentos necessários para nossa sobrevivência e reprodução. Este “sequestro” tem uma vida longa e leva muitas vezes à repetidas recaídas, especialmente quando o indivíduo é exposto a estímulos do ambiente que estão associados à droga.

A conclusão a que os pesquisadores chegaram foi a de que um receptor glutamato, localizado em uma parte do cérebro chamada de striatum, desempenha um importante papel nessas recaídas.

Veja também

Os pesquisadores, liderados pelo professor de neurobiologia da Univesidade de Linkoping, David Engblom, observaram o que acontecia nos indivíduos que não tinham o receptor glutamato. O experimento foi feito com ratos que ingeriram cocaína.

“Nossas descobertas mostram que os ratos que não tinham o receptor eram menos propensos a ter recaídas. Isto se deve ao fato de que a reação desses ratos à recompensa não tinha sido gravada em suas memórias da mesma forma que em um rato normal. O receptor parece ser um pré-requisito para assuntos, objetos ou ambientes que estavam previamente associados ao uso da droga criando no indivíduo um desejo pela mesma”: David Engblom.

David e sua equipe esperam que suas descobertas e outros estudos sobre a dependência das drogas levem a novas maneiras de tratar os dependentes, indo diretamente ao que acontece no cérebro dos mesmos.

Deixe uma resposta