Enterobíase – CID 10: B80

Infestação intestinal causada por helminto. Pode cursar assintomática ou apresentar, como característica principal, o prurido perianal, freqüentemente noturno, que causa irritabilidade, desassossego, desconforto e sono intranquilo. As escoriações provocadas pelo ato de cocar podem resultar em infecções secundarias em torno do anus, com congestão na região anal, ocasionando inflamação com pontos hemorrágicos, onde se encontram, freqüentemente, fêmeas adultas e ovos. Sintomas inespecíficos do aparelho digestivo são registrados, como vômitos, dores abdominais, tenesmo, puxo e, raramente, fezes sanguinolentas. Outras manifestações, como vulvovaginites, salpingites, ooforite e granulomas pelvianos ou hepáticos, tem sido registradas, esporadicamente.

Predominantemente fecal-oral. São diversos os modos de transmissão: Auto-infecção externa ou direta – Do anus para a cavidade oral, por meio dos dedos, principalmente nas crianças, doentes mentais e adultos com precários hábitos de higiene. Auto-infecção indireta – Ovos presentes na poeira ou alimentos atingem o mesmo hospedeiro que os eliminou. Heteroinfecção – Os ovos presentes na poeira ou alimentos atingem um novo hospedeiro. Retroinfecção – Migração das larvas da região anal para as regiões superiores do intestino grosso, chegando ate o ceco, onde se tornam adultas. Auto-infecção interna – Processo raro no qual as larvas eclodem ainda dentro do reto e depois migram ate o ceco, transformando-se em vermes adultos.

Em geral, clinico, devido ao prurido característico. O diagnostico laboratorial reside no encontro do parasito e de seus ovos. Como dificilmente e conseguido nos parasitológicos de fezes de rotina, sendo achado casual quando o parasitismo e muito intenso, deve-se pesquisar diretamente na região perianal, o que deve ser feito pelos métodos de Hall (swab anal) ou de Graham (fita gomada), cuja colheita e feita na região anal, seguida de leitura em microscópio. Também podem ser pesquisados em material retirado de unhas de crianças infectadas, que oferecem alto índice de positividade.

Veja também

Exceto pelo prurido (coceira) anal e por ocasionais episódios de diarréia a maioria das pessoas não sente nada. Infestações intensas podem causar vômitos, diarréia freqüente inclusive com esteatorréia (excesso de gordura nas fezes), prurido anal constante, insônia. Irritabilidade, perda de peso, chegando à desnutrição.

Pamoato de Pirvinio, 10mg/kg/VO, dose única; Pamoato de Pirantel, 10mg/kg/VO, dose única. Mebendazol, 100mg, VO, dois vezes ao dia, durante três dias consecutivos. Essa dose independe do peso corporal e da idade. Albendazol, 10mg/kg, VO, dose única, ate o maximo de 400mg. Todas essas drogas são contra-indicadas em gestantes.

A preveção é feita com hábitos de higiene pessoal, como lavar as mãos antes das refeições, após o uso do sanitário, após o ato de se cocar e antes da manipulação de alimentos. Manter as unhas aparadas rentes aos dedos, para evitar acumulo de material contaminado. Evitar cocar a região anal desnuda e levar as mãos a boca e manter limpas as instalações sanitárias.

Deixe uma resposta