Final de uma jornada: Saiba tudo sobre o Parto

O dia mais especial chegou. O dia do parto é uma ocasião em que muitas emoções irão ocorrer e onde a mãe passará por muitas provações. Muitas dúvidas surgem, durante a gravidez, a respeito do parto. A ansiedade pela chegada deste momento e o nervosismo pelo acontecimento são normais. A melhor maneira para enfrentar tudo isso é se preparar, tirar as dúvidas e realizar um pré-natal adequado.

Durante o pré-natal, a mãe será orientada a respeito da maternidade que deve seguir. Ela nunca deve esquecer de levar o cartão da gestante. É importante sempre a presença do pai e dos familiares. Ela possui o direito de ter um acompanhante no parto.

Contrações:

As contrações (barriga endurecida por 30 a 60 segundos, com leve pressão) surgem por volta da metade da gravidez (16 – 18 semanas). Elas são aleatórias, indolores e nem todas as mulheres a sentem. O corpo se prepara durante a gravidez, treinando  as contrações para o parto. Durante o trabalho de parto elas aumentam a frequência, a força e a duração. As contrações antes da hora do parto são chamadas de contrações de treinamento, enquanto as que ocorrem durante o parto são chamadas de contrações verdadeiras. Como podemos diferencia-las?

Contrações de treinamento:

  • Poucas vezes ao longo do dia;
  • São irregulares, ou regulares por período curto;
  • Eventualmente, atingem apenas uma parte da barriga;
  • Duração < 60segundos;
  • Em geral, no máximo 2x/h;
  • Param quando você muda a atividade (ex. se estiver sentada, levante-se);
  • Não progridem de intensidade.

Contrações verdadeiras:

  • Regulares, duração > 60 segundos e doloridas;
  • Apresentam força progressiva;
  • Não param de acontecer;
  • Acometem toda a barriga e, algumas vezes, as costas;
  • Não se alteram mudando a atividade.

Quando procurar um médico ao apresentar contrações:

Mulheres com < 37 semanas devem procurar o médico se:

  • Houver secreção (água ou sangue) associado;
  • Se ocorrerem > 3-4/h, ou se estiverem vindo em intervalos regulares.

Mulheres com > 37 semanas devem procurar o médico se:

  • > 60 segundos e contrações regulares.

A mala para a maternidade:

Para a mãe:

  • 3 Camisolas ou pijamas que abra na frente (facilita a amamentação);
  • Mais de 5 Calcinhas confortáveis e grandes para usar com absorventes;
  • Penhoar ou Roupão para andar pelos corredores do hospital e receber pessoas;
  • Chinelo ou sandália confortável e meias;
  • Sutiã para amamentar;
  • Conchas ou absorventes para os seios;
  • Produtos de higiene pessoal;
  • Absorventes (hospitais oferecem, porém é bom levar do seu gosto);
  • Roupas para alta hospitalar;
  • Máquina e filmadora;
  • Livros e revistas;
  • Enfeite para a porta;
  • Lista com os telefones das pessoas que devem ser avisadas do nascimento.

Para o bebê:

  • As fraldas são fornecidas pela maternidade;
  • 6 macacões tamanho RN;
  • 6 bodies ou camisas tipo pagão;
  • 6 calças com pé (“mijão”);
  • 1 manta de algodão;
  • 2 xales de linha ou lã;
  • 2 casaquinhos de lã;
  • Fraldas de tecido para apoiar no ombro ao colocar o bebê para arrotar;
  • 6 paninhos de boca;
  • 6 pares de meias, se estiver muito frio.

Parto normal:

O parto normal é, quase sempre, a melhor opção para mãe e para o bebê. A equipe médica irá decidir o tipo de parto a ser escolhido.

Entender as etapas do parto podem permitir com que a mãe se sinta mais segura. O parto pode ser dividido em 3 fases. Elas serão descritas a seguir:

Estágio 1:

FASE 1: Inicial ou pré-trabalho de parto

Esta é a fase antes do trabalho de parto. O útero apresenta contrações com regularidade e progressão (contrações verdadeiras), 1 a cada 5 minutos, com duração de 30 a 40 segundos. Muitas mulheres nem percebem esta fazer. Enquanto estiver em casa, coma algo (pão ou macarrão, digestão acelerada), pois você poderá ficar em jejum por um tempo prolongado.

Você pode permanecer em casa e relaxar, apesar da sua ansiedade. Contate o hospital e comunique o médico das contrações, para ele programar os próximos passos.

FASE 2: Trabalho de parto em atividade

As contrações ficarão cada vez mais fortes, 60 a 90 segundos, e frequentes. O seu colo do útero terá dilatado 3 a 4 cm. Durante as contrações, evite falar; relaxe  e respire fundo. Dirija-se à maternidade, após ligar para o médico. Caso a sua bolsa ainda não tenha rompido, o médico poderá rompê-la, e isto não dói. Nesta fase, é possível que façam anestesia peridural.

FASE 3:

O colo do útero se dilata bastante e as contrações passam a durar 60 a 90 segundo, e se apresentam de 2/2min ou 3/3min. Você poderá sentir alguns sintomas (frio, náuseas, tremor); mantenha-se calma e recorde que falta pouco. Encontre uma posição confortável, mantenha uma respiração ritmada, grite (não sinta vergonha!).

Estágio 2: Saída do bebê ou período expulsivo

O colo uterino já estará aberto o suficiente. O útero então empurra o bebê pela vagina. Durante as contrações, quando você fizer força, ele descerá mais um pouco. Não fique desesperado, ele estará avançando aos poucos – você sentirá a cabeça do bebê, que logo saíra. Possivelmente o médico pedirá para você reduzir a força, para evitar lesões locais.  Caso este não seja seu primeiro parto normal o segundo estágio poderá ocorrer mais rapidamente.

Estágio 3: Saída da placenta

Após o nascimento, as contrações cessam por um tempo, com retorno em alguns minutos, com intensidade reduzida, com o objetivo de liberar a placenta do útero (duração de aproximadamente 15 minutos). A placenta é o órgão que manteve o seu bebê vivo durante toda a gestação; junto dela sai a bolsa de líquido amniótico. Durante este período, provavelmente você estará relaxando, feliz e vendo o seu bebê, e apenas estes fatos já são capazes de liberar um estimulo hormonal para a saída da placenta. O médico irá realizar um exame rápido para verificar sangramentos e complicações do parto.

Após estes três estágios, você irá retornar ao quarto/enfermaria, estará exausta, feliz e talvez um pouco trêmula. Você estará pronta para receber o seu bebê após os cuidados médicos. O contato inicial será estabelecido, e seu corpo já irá se adaptar para você cuidar e alimentar o seu bebê.

Os pontos dados no parto normal são bem menos comuns e em menor número do que na cesariana. É comum a ocorrência de hematomas locais; nesse caso, utilize gelo local, banho de água morna e medicações indicadas por seu médico. Três a quatro semanas do parto você, provavelmente, já estará recuperada. Caso isso não ocorra, procure seu médico.

Você poderá realizar alguns exercícios para trabalhar os músculos da pelve a facilitar a recuperação. E devem ser realizado durante a gravidez. Estes são:

  • Fique em pé, sentada ou deitada;
  • Não encolha a barriga, não aperte as pernas uma contra a outra, não endureça o bumbum e não prenda a respiração;
  • Você deve contrair os músculos da vagina e do ânus como se quisesse evitar de ir ao banheiro (segurando);
  • Contraia e relaxa 3x;
  • Mantenha eles contraídos, mas respire;
  • Relaxe;
  • Empurre os músculos para fora e contraia os novamente;
  • Repita este exercício várias vezes ao dia.

Cesariana:

A cesariana deve ser a escolha apenas quando necessária (aproximadamente 15% dos casos). Apesar de parecer mais confortável para mãe no momento do parto, ela pode conduzir a varias complicações para mãe e para o bebê. Além disso, a cesariana gera uma maior dificuldade de recuperação materna, aumentando o tempo internada no hospital.

Lembre-se! Cesariana é uma cirurgia abdominal! Opte, sempre que, possível pelo parto normal. Ele é o mais natural.
Principais ndicações de cesariana:
  • Risco para mãe, bebê ou ambos;
  • Mãe HIV positivo;
  • Mãe com Hipertensão grave (pressão alta grave);
  • Placenta impede a saída do bebê;
  • Cordão umbilical saiu antes do bebê;
  • Placenta se solta antes do parto;
  • Bebê está sentado ou atravessado;
  • Parto de gêmeos em posição inadequada.

Risco do parto:

  • Infecções;
  • Hemorragias;
  • Hipertensão;
  • Distúrbios da respiração;
  • Trombose de veias das pernas (por isso, é importante a mulher caminhar após a cirurgia).

Depressão pós-parto:

O período depois do parto é um momento de muita sensibilidade, exaustão e expectativas da mãe. Isto pode dificultar o estabelecimento de vínculo afetivo entre a mãe e o filho. Tudo é novo neste período para mãe e, com isso, existem muitas preocupações.

Sintomas:

  • Apatia;
  • Tristeza;
  • Choro sem motivo;
  • Irritabilidade;
  • Raiva sem motivo;
  • Rejeição ao bebê.

A mulher que apresenta esses sintomas deve procurar apoio profissional de psicólogos e médicos psiquiatras.

Alta do hospital:

A mãe deve receber orientações sobre o cuidado dela e do bebê. Deve também ser orientada sobre consultas. É importante que seja marcada uma consulta para mãe após o nascimento, independente das consultas do bebê.

A mãe recebe na alta da Declaração de Nascido Vivo (DNV) para os pais fazerem o registro de nascimento (certidão) e a Caderneta de Saúde da Criança.

Veja Também:

  • Entendendo os Testes de GravidezEntendendo os Testes de Gravidez Na pratica, existem dois tipos de testes de gravidez: o de urina e de sangue. Todos dois procuram pelo “hormônio da gravidez” para chegar a um diagnóstico. Ao contrário do que muita […] Posted in Gestação
  • Mitos e verdades sobre a gravidezMitos e verdades sobre a gravidez A gravidez é experiência singular, uma fase da vida cercada de grande expectativa e dúvidas. Por esse motivo, a gravidez é cercada de mitos e verdades e buscar informações corretas é um […] Posted in Gestação
  • Veja os principais Sintomas da GravidezVeja os principais Sintomas da Gravidez Toda mulher deve conhecer os sintomas da gravidez para estarem preparadas para saber da sua condição de grávida o mais cedo possível. Quanto mais cedo a mulher souber da sua gravidez […] Posted in Gestação
  • Conheça a importância do Pré-NatalConheça a importância do Pré-Natal Por que o pré-natal é importante? O pré-natal consiste no acompanhamento clínico profissional que vai desde a descoberta da gravidez até o momento do parto. Este acompanhamento é […] Posted in Gestação

Deixe uma resposta