FLUIBRON Xarope

Não tome remédio antes de ir a um médico

Serve para facilitar a expectoração (soltar do peito) quando houver acúmulo de catarro (secreção) em doenças broncopulmonares agudas e crônicas. Uso Oral.

O Cloridrato de Ambroxol é um derivado amínico do dibromofenilcicloexanol, correspondendo a um dos metabólitos da bromexina. Embora seu mecanismo de ação não esteja completamente definido, o ambroxol pode aumentar a quantidade e reduzir a viscosidade das secreções traqueobrônquicas. Pode agir também como um expectorante, estimulando a atividade ciliar de transporte do muco. Pode estimular a síntese e secreção do surfactante pulmonar. O Cloridrato de Ambroxol é rápido e quase que completamente absorvido pelo trato gastrintestinal com linearidade de doses dentro dos limites terapêuticos. O pico da concentração plasmática ocorre entre 0,5 e 3 horas após a administração oral. Sua ligação às proteínas plasmáticas é de aproximadamente 90%. A distribuição do ambroxol até o tecido é rápida e acentuada, sendo a concentração máxima da substância ativa encontrada nos pulmões. A meia vida plasmática é de 72 horas, não se observando acumulação. É metabolizado fundamentalmente no fígado, por conjugação. Em torno de 30% da dose oral administrada é eliminada pela primeira passagem hepática. A excreção renal total chega a aproximadamente 90% , sendo eliminado na forma inalterada e como metabólitos pela urina.

Indicações: Bronquite aguda e crônica; bronquite asmática; bronquite enfisematosa; traqueobronquite.

Veja também

Contraindicações: Caso de hipersensibilidade (alergia) ao ambroxol e a outros componentes da fórmula, pacientes com graves alterações hepáticas e/ou renais e em pacientes grávidas, no primeiro trimestre e no último período da gravidez.

Precauções: Cloridrato de Ambroxol não deve ser usado durante a gravidez, principalmente no primeiro trimestre e no último período de gravidez. Apesar do fármaco passar para o leite materno, não é provável que atue sobre o lactente quando administrado em doses terapêuticas. Em alguns pacientes pode ocorrer estreitamento (contrição) dos brônquios durante a inalação. A solução oral contém cloreto de benzalcônio que, quando inalado acidentalmente, pode causar broncoespasmo.

Efeitos colaterais: As reações adversas mais comuns são manifestações gastrintestinais como náuseas, vômitos, pirose e dispepsia. Mais raramente, ocorrem erupções cutâneas. E em casos excepcionais, foram relatadas graves reações agudas do tipo anafiláticas, entretanto sua relação com o ambroxol é duvidosa, pois alguns destes pacientes tinham apresentado reações alérgicas a outras substâncias.

Atenção: O uso de qualquer medicamento só deve ser feito por recomendação e orientação de um médico, essas informações são de caráter meramente educativos e não substituem em hipótese alguma a avaliação de um especialista médico.

Deixe uma resposta