Hiperplasia Benigna Prostática – Cid 10: N40

Esta alteração é caracterizada pela hiperplasia das células do estroma e do epitélio, com consequente constituição de nódulos na região periuretral da próstata. Quando exageradamente largos, estes nódulos comprimem o canal uretral, levando a obstrução ou estenose do mesmo, impedindo ou dificultando o trânsito normal da urina. As manifestações clínicas da HPB são classificadas em dois tipos: obstrutiva e irritativa. Dentre a sintomatologia do primeiro tipo, podemos encontrar hesitância, intermitência, incontinência e esvaziamento incompleto da bexiga. Já entre as manifestações clínicas do quadro irritativo, encontram-se o aumento da frequência do ato de urinar, denominado noctúria quando ocorre à noite, dor suprapúbica e urgência em urinar. O conjunto de ambos os tipos de HPB, recebe a denominação de sintomas do trato urinário inferior (LUTS). Quando não tratada, a HPB pode progredir. O esvaziamento incompleto da bexiga, leva à estase da urina, favorecendo o surgimento de infecções do trato urinário. Outros problemas também podem surgir, como a formação de cálculos na bexiga, em conseqüência da cristalização dos sais presentes na urina residual. Certos casos de retenção urinária crônica podem evoluir para insuficiência renal.

Não é contagiosa

Geralmente os sintomas levam o paciente ao médico. Este, através de uma história clínica, vai classificar o paciente em pouco, leve ou muito sintomático. Existem questionários específicos para se avaliar sintomas urinários (por exemplo, o da Organização Mundial da Saúde-OMS). Um exame físico detalhado, incluindo um toque retal (exame digital através do ânus), é realizado. Exames laboratoriais são geralmente solicitados, incluindo exame qualitativo de urina, urocultura, creatinina e ureia. A dosagem do antígeno prostático específico (PSA) é de vital importância como parte desta avaliação, pois permite a detecção precoce do câncer da próstata. Exames de imagem, se necessários, serão solicitados como, por exemplo, a ecografia abdominal total (ecografia do aparelho urinário). É importante que se diga que os sintomas acima descritos não são específicos da HBP. Eles podem estar presentes na estenose (estreitamento) de uretra, bexiga neurogênica, etc. Logo, uma avaliação criteriosa é importante.

Veja também

É possível dividir tais sintomas em dois grupos: 1- obstrutivos: jato fraco de urina, hesitação e esforço na micção, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, gotejamento terminal e retenção urinária. 2- irritativos: polaciúria (aumento do número de micções diurnas), noctúria (aumento do número de micções noturnas), urgência (vontade imperiosa de urinar, que pode mesmo causar incontinência urinária) e dor no baixo ventre (altura da bexiga).

A maioria dos pacientes com HBP não requer tratamento. Aqueles pacientes sintomáticos que procuram o urologista serão tratados conforme a severidade dos sintomas. Os pacientes levemente sintomáticos serão acompanhados clinicamente, ficando sob observação. Os moderadamente sintomáticos serão tratados com medicamentos – que impeçam o crescimento prostático (finasteride), ou que relaxem a próstata (drogas alfa-bloqueadoras). Nos pacientes severamente sintomáticos ou naqueles que, por qualquer razão, não possam tomar os medicamentos, está indicada a cirurgia. A cirurgia pode ser a prostatectomia aberta, na qual é necessária uma incisão no abdômen. É retirada somente a parte central da próstata a qual, justamente, comprime a uretra. As partes periféricas da próstata permanecem. Outro tipo de cirurgia pode ser empregado, como a ressecção transuretral da próstata, na qual todo o procedimento é realizado pela uretra. Como no caso anterior, trata-se de uma cirurgia desobstrutiva. Vários outros métodos cirúrgicos existem (cirurgia a laser, termoterapia, eletrovaporização, etc.), que não são comparáveis em resultados com as cirurgias clássicas. É importante saber que o paciente após a cirurgia para HBP permanece com zonas periféricas da próstata: logo, deve continuar a realizar exames periódicos de prevenção do câncer de próstata. Pacientes com câncer de próstata que são submetidos à cirurgia fazem um procedimento completamente diferente, chamado de prostatectomia radical. Nesta, toda a próstata é retirada bem como as vesículas seminais e os linfonodos pélvicos.

Todos os estudos mostram que além da idade, o cuidado com a alimentação é de grande importância na prevenção da HPB. Não somente a HPB seria evitada com uma boa alimentação, mas também diversas outras doenças, como a hipertensão e o infarto do coração.

Deixe uma resposta