Infecção pelo HPV (Papiloma Vírus Humano) – CID 10: B97.7

Doença viral que, com maior frequência, manifesta-se como infecção subclínica nos genitais de homens e mulheres. Clinicamente, as lesões podem ser múltiplas, localizadas ou difusas, e de tamanho variável, podendo também aparecer como lesão única. A localização ocorre no pênis, sulco balano-prepucial, região perianal, vulva, períneo, vagina e colo do útero. Morfologicamente, são papulas circunscritas, hiperquerotosicas, ásperas e indolores, com tamanho variável. Condiloma gigante (Buschke-Loewenstein), assim como papulose bowenoide, são raros.

Geralmente, por contato direto. Pode haver auto inoculação e infecção por fomites.

Clinico epidemiológico e laboratorial, observando as diversas formas: Infecção clínica – Através da visão desarmada, geralmente representada pelo condiloma acuminado. Infecção Subclínica – Através da peniscopia, colpocitologia e colposcopia com biopsia. Infecção latente – Através dos testes para detecção do HPV-DNA.

A infecção causada pelo HPV pode ser assintomática ou provocar o aparecimento de verrugas com aspecto parecido ao de uma pequena couve-flor na pele e nas mucosas. Se a alteração nos genitais for discreta, será percebida apenas através de exames específicos. Se forem mais graves, as células infectadas pelo vírus podem perder os controles naturais sobre o processo de multiplicação, invadir os tecidos vizinhos e formar um tumor maligno como o câncer do colo do útero e do pênis.

A cura para o HPV com a eliminação total do vírus da pele e da mucosa infectada depende da ação do sistema imunológico de cada pessoa. O que os médicos podem fazer, hoje, é tratar as lesões causadas pelos vírus, evitando que elas progridam. Isso inclui prescrição de tratamentos tópicos, congelamento ou queima das verrugas com produtos químicos ou cirurgia a laser. Quando há lesão no colo do útero, a mesma deve ser avaliada em detalhes quanto ao seu potencial de gerar câncer, para que se realize o tratamento adequado, muitas vezes com remoção cirúrgica da área doente.

O HPV é uma doença sexualmente transmissível (DST). Logo, alguns procedimentos podem diminuir o risco de adquirir essa infecção, tais como: – usar preservativo (camisinha) durante as relações sexuais; – evitar ter muitos parceiros ou parceiras sexuais; – realizar Papanicolau uma vez por ano ou de acordo com a indicação do seu ginecologista. É importante ressaltar que o uso do preservativo (camisinha), apesar de prevenir a maioria das doenças sexualmente transmissíveis, não impede totalmente a contaminação com o HPV, uma vez que há áreas descobertas que podem conter o vírus.

Veja Também:

Deixe uma resposta