IPRABON Solução para inalação

Não tome remédio antes de ir a um médico

Broncodilatador no tratamento de manutenção do broncoespasmo, associado à Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). Uso Intranasal.

Trata-se de um derivado amônia quaternária da atropina. A broncodilatação é produzida mais como efeito local e limitado ao lugar da ação que como efeito sistêmico. Atua por inibição competitiva dos receptores colinérgicos do músculo liso brônquico. Este efeito contraria a ação da acetilcolina no seu receptor de membrana e bloqueia a ação broncorrestritiva dos impulsos vagais eferentes. Pode também inibir a ação dos mediadores químicos potencializada pela acetilcolina, mediante o bloqueio dos receptores colinérgicos da superfície dos matócitos. A absorção sistêmica é mínima; não atravessa a barreira hematoencefálica. Pequena quantidade da droga que pode ser absorvida é metabolizada no fígado. O início de sua ação fica evidente em 5 a 15 minutos e dura ao redor de 3 a 4 horas. É eliminada por via fecal, 90% de forma inalterada.

Indicações: Broncospasmo associado com doença pulmonar obstrutiva crônica, incluindo bronquite crônica e enfisema pulmonar. Coadjuvante no tratamento da asma brônquica.

Veja também

Contraindicações: Hipersensibilidade conhecida às substâncias atropínicas ou a um dos componentes do aerossol; rinite infecciosa aguda.

Precauções: Não utilizar aerossóis para inalação de agonistas beta e de ipratrópio em seqüência rápida, e tampouco de corticóides ou cromoglicato dissódico. A relação risco-benefício deverá ser avaliada na presença de obstrução do colo vesical, hipertrofia prostática, glaucoma de ângulo fechado e retenção urinária.

Efeitos colaterais: Pode aparecer tosse ou secura na garganta, cefaléias, tonturas, nervosismo, náuseas, visão turva, congestão nasal, tremores, cansaço ou debilidade não-habituais, erupção cutânea ou urticária e estomatite.

Atenção: O uso de qualquer medicamento só deve ser feito por recomendação e orientação de um médico, essas informações são de caráter meramente educativos e não substituem em hipótese alguma a avaliação de um especialista médico.

Deixe uma resposta