O que é Lúpus?

O Lúpus, também conhecido como Erythematosus de Lúpus Sistemático ou SLE, é uma doença autoimune rara, isto é,o sistema imunológico não consegue diferenciar os organismos invasores e os tecidos saudáveis do corpo, produzindo anticorpos contra células, tecidos ou órgão. A doença é mais comum em mulheres, que chegam a 90% do total das vítimas, onde 80% delas desenvolvem a mesma entre os 15 e 45 anos, mas podendo ocorrer em qualquer idade. No entanto, mesmo sendo conhecida desde a Idade Média, a ciência não conseguiu resolver este e tantos outros enigmas que cercam o Lúpus.

Contudo, esta autoagressão às células saudáveis do corpo provocam uma série de inflamações, danos e dores a várias partes do corpo. Ao falar sobre o Lúpus, as pessoas geralmente se referem ao Lúpus Eritematoso, o tipo mais comum. A doença não possui cura, e pode afetar quase qualquer parte do corpo, incluindo junções, pele, coração, pulmões, vasos sanguíneos e cérebro. Não há possibilidade, portanto, de saber em qual órgão do corpo a doença irá se manifestar.

Sintomas

O Lúpus é uma doença muito imprevisível, podendo se manifestar de diferentes formas de pessoa para pessoa. Há casos em que seus sintomas se apresentam lentamente, indo e vindo, periodicamente; ou de forma agressiva e repentina. Embora as causas desta doença não sejam conhecidas, admite-se que a interação de fatores genéticos (como casos na família), hormonais e ambientais podem desencadeá-la.

Entre os sintomas destacam-se, como mais frequentes nos portadores da doença, lesões nas articulações (causando artrites) e lesão na pele (vermelhidão nas maças do rosto e no nariz). Outros sintomas comuns incluem:

Veja também

  • Dor no peito ao inspirar profundamente;
  • Fadiga;
  • Febre sem outra causa;
  • Desconforto geral, ansiedade, mal estar;
  • Perda de cabelo;
  • Feridas na boca;
  • Sensibilidade à luz do sol;
  • Linfonodos aumentados.

Dentre os sintomas específicos, ou seja, quando a doença afeta algum órgão específico destacam-se:

  • Cérebro e sistema nervoso: cefaleias, dormência, formigamento, convulsões, problemas de visão, alterações de personalidade;
  • Trato digestivo: dor abdominal, náuseas e vômitos;
  • Coração: ritmo cardíaco anormal (arritmias);
  • Pulmão: tosse com sangue e dificuldade para respirar;
  • Pele: coloração irregular da pele, dedos que mudam de cor com o frio (fenômeno de Raynaud).

Há ainda possibilidade de aparecer alterações no sangue em mais da metade dos casos, como diminuição de glóbulos vermelhos (anemia), glóbulos brancos (leucopenia), dos linfócitos (linfopenia) ou de plaquetas (plaquetopenia).

Tratamento

Como já mencionado, o Lúpus não possui cura, procura-se, no entanto, controlar e amenizar os sintomas. A opção mais abrangente para contornar estes sintomas são os anti-inflamatórios. Para as crises mais intensas, são prescritos corticoides que, embora sejam mais eficazes contra a inflamação, provocam efeitos colaterais como obesidade e diabete. Já, quando a doença encontra-se num estágio mais avançado, grave, com risco de morte do paciente, necessita-se de um tratamento mais agressivo com especialistas.

Para evitar crises, os médicos recomendam evitar fatores que desencadeiam a doença. São eles: evitar tomar sol e outras formas de radiação ultravioleta, tratar infecções, evitar o uso de estrógenos (anticoncepcionais) e outras drogas (hidralazina, hidrazida, a procainamida) e evitar o estresse.

Enfim, por ser de diagnóstico difícil, o Lúpus, muitas vezes, é confundido com outras doenças. Algumas pessoas, por exemplo, podem possuir a doenças durante um longo espaço de tempo e esta não ser diagnosticada. Por isso, caso tenha alguns destes sintomas citados, informe seu médico imediatamente. No entanto, nenhum teste único pode dizer se a pessoa esta afetada ou não, mas o médico pode chegar a este resultado de outras formas, como: histórico médico e familiar, exame físico completo, biópsia e testes de sangue e urina.

Deixe uma resposta