Obesidade – Cid 10: E66

Obesidade é um problema mundial de saúde, caracterizado por excesso de gordura corporal. Muito mais do que um problema estético, é considerada uma doença crônica e pode trazer inúmeros prejuízos à saúde física e mental.

Não é contagioso.

· A obesidade é determinada pelo Índice de Massa Corporal (IMC) que é calculado dividindo-se o peso (em kg) pelo quadrado da altura (em metros). O resultado revela se o peso está dentro da faixa ideal, abaixo ou acima do desejado. Classificação do IM Menor que 18,5 Abaixo do peso Entre 18,5 e 24,9 – Peso normal Entre 25 e 29,9 – Sobrepeso (acima do peso desejado) Igual ou acima de 30 – Obesidade. Cálculo do IM IMC=peso (kg) / altura (m) x altura (m) Exemplo: João tem 83 kg e sua altura é 1,75 m Altura x altura = 1,75 x 1,75 = 3.0625 IMC = 83 divididos por 3,0625 = 27,10 O resultado de 27,10 de IMC indica que João está acima do peso desejado (sobrepeso).

Veja também

O excesso de gordura corporal não provoca sinais e sintomas diretos, salvo quando atinge valores extremos. Independente da severidade, o paciente apresenta importantes limitações estéticas, acentuadas pelo padrão atual de beleza, que exige um peso corporal até menor do que o aceitável como normal. Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo ser algumas vezes graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando em longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa superficial e profunda (varizes) com úlceras de repetição e erisipela.

O tratamento da obesidade envolve necessariamente a reeducação alimentar, o aumento da atividade física e, eventualmente, o uso de algumas medicações auxiliares. Dependendo da situação de cada paciente, pode estar indicado o tratamento comportamental envolvendo o psiquiatra. Nos casos de obesidade secundária a outras doenças, o tratamento deve inicialmente ser dirigido para a causa do distúrbio.

Mais sensato do que tratar a obesidade é prevenir o seu surgimento. Medidas preventivas começam na infância, por meio do estímulo a hábitos alimentares saudáveis, atividade física regular e monitorização constante de peso. Vale atenção a determinadas situações que predispõem e podem desencadear ganho de peso, a saber: – historia familiar de obesidade; – gravidez; – menopausa; – interrupção de tabagismo; – situações que levem a alterações alimentares ou de atividade física (casamento, mudança de trabalho etc.); – descontinuação do hábito de exercitar-se; – uso de certos medicamentos; – antecedente pessoal de obesidade em outro momento da vida.

Deixe uma resposta